Lipoenxertia ou lipoplastia mamária em Brasília, DF

Consiste no aumento do volume das mamas injetando gordura obtida de outros lugares através de lipoaspiração. É um procedimento que nos dias de hoje vem sendo utilizado de maneira crescente por muitos cirurgiões no mundo, a pesar de ainda existirem controvérsias de alguns especialistas sobre a segurança da técnica, especialmente no que tange à detecção precoce do câncer de mama, devido às micro-calcificações que podem aparecer após a necrose (morte) de algumas células adiposas transplantadas.

Na nossa prática médica temos utilizado esta técnica em um número não muito grande de pacientes, não por não dominarmos a técnica, mas devido ao nosso rigoroso critério de seleção das pacientes que limitam a seleção somente a aquelas pacientes que:

  • Tenham mamas de consistência mista: adipo-glandulares (nem duras, nem muito moles)
  • Desejem aumento pequeno ou moderado (máximo 200 ml por mama)
  • Tenham adequada área doadora (utilizamos gordura da região lombar)
  • Não tenham nenhum fator de risco para câncer de mama: puberdade precoce (primeira menstruação abaixo dos 12 anos de idade), uso prolongado de anticoncepcionais, nuliparidade (que não tenham filhos), menopausa após 55 anos, obesidade atual ou infantil, exposição prolongada à radiação ionizante (radioterapia), uso frequente de álcool, tabagismo, consumo frequente de maconha. Adicionalmente estão relacionados à presença de mutações em determinados genes transmitidos na família, especialmente BRCA1 e BRCA2. Mulheres com histórico de casos de câncer de mama em familiares consanguíneos, sobretudo em idade jovem; de câncer de ovário ou de câncer de mama em homem, podem ter predisposição genética e são consideradas de risco elevado para a doença.

A técnica é segura?

Existe controversia atualmente sobre a segurança no quesito detecção precoce do câncer de mama. Embora muitos autores vem publicando artigos recentemente demonstrando a segurança da técnica, a última palavra ainda não foi dita.

Dispomos de vasta bibliografia autorizando-nos a realizar esta cirurgia com segurança em pacientes que não tenham os fatores de risco acima relatados. Existe a vantagem adicional de não utilizarmos implantes (corpos estranhos) que embora muito seguros, tem o risco de infecção e contratura capsular. Mas tudo isto deve ser discutido conosco na consulta para determinarmos a viabilidade da técnica em cada caso.

Quais os riscos e possíveis complicações?

Nenhuma cirurgia é isenta de riscos e esta não é a exceção. Entre eles temos:

  • Reabsorção assimétrica da gordura que necessite de retoques para simetrizar
  • Formação de cistos gordurosos por morte das células enxertadas (como em qualquer lipoenxertia)
  • Presença de micro-calcificações tardias por morte das células enxertadas (hoje raras com o uso de micro-cânulas)
  • Infecção e mastite por contaminação da gordura enxertada após a cânula passar pelas glândulas (rara)
  • Aumento do risco de câncer de mama (hipótese não comprovada cientificamente)

Como prevenir estes riscos?

O primeiro passo para ter uma lipoplastia mamária de sucesso é a seleção das pacientes (vide a lista acima). Posteriormente, através de uma técnica cirúrgica apurada, depositamos cuidadosamente a gordura em múltiplos túneis entre-cruzados, realizando uma lipoplastia estrurutada. Esta técnica permite que as células transplantadas sejam adequadamente irrigadas, evitando a sua morte e as complicações decorrentes dela.

 

Bibliografia

  1. Alexandre Roriz Blumenschein; Ruffo Freitas-Junior; Andrea Thomazine Tuffanin; Danielle Isadora Blumenschein. Lipoenxertia nas mamas: procedimento consagrado ou experimental?. In. Revista Brasileira de Cirurgia Plástica. Artigo de Revisão – Ano 2012 – Volume 27 – Número 4
  2. Gabriel Vieira Braga Ferraz Coelho; Felipe de Vilhena Moraes Nogueira; Vagner Franco da Silveira Junior; Camila Zirilis Naif de Andrade; Hélio Humberto Angotti Carrara; Harley Francisco de Oliveira; Marcelo Felix da Silva; Jayme Adriano Farina Junior. Avaliação oncológica após reconstrução mamária com lipoenxertiaArtigo Original – Ano 2014 – Volume 29 – Número 2.
  3. Fatores de Risco para Câncer de Mama. Instituto Nacional do Câncer INCa.
  4. Coleman SR, Saboeiro AP. Primary Breast Augmentation with Fat Grafting. In Clin Plast Surg. 2015 Jul;42(3):301-6.
  5. Yoshimura K, Sato K, Aoi N, Kurita M, Hirohi T, Harii K. Cell-assisted lipotransfer for cosmetic breast augmentation: supportive use of adipose-derived stem/stromal cells. Aesthetic Plast Surg. 2008;32(1):48-55.
  6. Mu DL, Luan J, Mu L, Xin MQ. Breast augmentation by autologous fat injection grafting: management and clinical analysis of complications. Ann Plast Surg. 2009;63(2):124-7.
  7. Wang CF, Zhou Z, Yan YJ, Zhao DM, Chen F, Qiao Q. Clinical analyses of clustered microcalcifications after autologous fat injection for breast augmentation. Plast Reconstr Surg. 2011;127(4):1669-73
  8. Illouz YG, Sterodimas A. Autologous fat transplantation to the breast: a personal technique with 25 years of experience. Aesthetic Plast Surg. 2009;33(5):706-15

Deixe seu comentário ou dúvida