Tratamento de cicatrizes hipertróficas e quelóides


tratamento cicatrizes hipertroficas e queloide em brasilia

Tratamento de cicatrizes e quelóides em Brasília, DF

O que é uma cicatriz hipertrófica?

Cicatriz hipertrófica é uma cicatriz que cresceu em altura e largura após uma lesão da pele, seja por traumatismo (acidente, queimadura) ou após uma cirurgia de qualquer tipo, seja plástica ou funcional (fig. 1. Cicatriz hipertrófica em local de incisão para apendicectomia.

O que é um quelóide?

Um queloide é um grau mais elevado de cicatriz hipertrófica, quando o processo cicatricial vai além da lesão inicial, invadindo a pele vizinha onde não houve trauma, muitas vezes adquirindo tamanhos gigantescos, de dez  vezes ou mais o tamanho da lesão inicial (fig. 2). Note-se como o tamanho da cicatriz é muitas vezes superior ao tamanho da lesão inicial.

 

tratamento queloides em brasilia
Fig. 2. Quelóide em local de piercing.

 

Qual é a origem das cicatrizes hipertróficas e quelóides?

Este transtorno obedece a uma alteração no metabolismo de uma células chamadas fibroblastos, que não entendem que a ferida já cicatrizou e continuam a produzir colágeno sob a pele, fazendo a cicatriz crescer sem parar.

A etiologia específica destes transtornos é desconhecida e multi-fatorial. Alguns estudos apontam fatores de origem racial: negros, pardos, asiáticos e indígenas, tem teoricamente maior predisposição a formar cicatrizes hipertróficas e quelóides, mas ja vimos ambos transtornos em pessoas caucasianas (loiras de olhos claros).

Fatores genéticos podem influenciar na gênese das  cicatrizes hipertróficas e quelóides, mas o tipo de fator ou erro do metabolismo ainda não está claro, mas a inflamação e infeção no local do trauma, parecem aumentar a predisposição a estas doenças; assim como a falta de aproximação adequada das bordas da ferida ou tensão excessiva nos pontos na hora da sutura.

Exposição ao sol e a luz U.V. é outro fator apontado como responsável pelo aparecimento de cicatrizes hipertróficas e quelóides.

Em resumo, estas alterações da cicatrização tem origem multi-fatorial e uma pessoa que já apresentou qualquer uma delas em alguma etapa da vida, pode ou não apresentar novamente. Estudos tem mostrado predisposição aumentada para cicatrizes hipertróficas e quelóides em crianças e adolescentes e menor incidência nos idosos. Também os mesmos estudos tem mostrado ausência de cicatrizes em feridas produto de cirurgias realizadas in-utero (antes do nascimento).

Qual é a diferença entre cicatriz hipertrófica e quelóide?

Existem algumas diferenças entre ambos transtornos, a primeira é o período de evolução: a cicatriz hipertrófica inicia seu crescimento já durante o processo de cicatrização, aumentando em altura e largura, muitas vezes acompanhada de coceira, vermelhidão e algumas vezes formação de bolha sob a pele, contendo um líquido viscoso de cor rosa. O quelóide aparece subitamente alguns meses após a ferida haver cicatrizado aparentemente de maneira normal e não para de crescer, invadindo a pele circundante.

EXISTE CORREÇÃO PARA AS CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES ?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se
deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz, por este motivo é fundamental que o paciente compareça sempre aos controles pós-operatórios nas datas e horas estabelecidas, porque somente o olho treinado do cirurgião poderá identificar uma cicatrização anormal no seu estagio inicial e adotar as medidas necessárias para tentar deter a progressão  da cicatriz anormal.

O MELHOR TRATAMENTO É A PREVENÇÃO

Uma técnica cirúrgica apurada por parte do cirurgião, provocando o menor traumatismo possível aos tecidos, evitando uso excessivo de bisturi elétrico superficialmente, aplicando a tensão necessária apenas para aproximar as bordas da ferida, sem deixar espaços abertos, nem causar tensão excessiva, são os primeiros passos para prevenir uma cicatrização anormal.

Mas mesmo tomando todos os cuidados na hora da cirurgia, a cicatrização pode evoluir de maneira anormal, tanto que um(a) mesmo(a) paciente pode apresentar cicatrização anormal em porções da mesma ferida, sendo feita a sutura pelo mesmo cirurgião e com a mesma técnica, o que demonstra a origem multi-fatorial do problema.

Controle dos fatores conhecidos por parte do paciente são uma boa maneira de prevenir cicatrizes hipertróficas e quelóides

Evitar exposição solar e traumatismo da área operada durante o primeiro ano após a cirurgia, aplicando sempre filtro solar FPS mínima 60, em áreas expostas ajuda a prevenir estes transtornos da cicatrização

Uso de pomadas específicas prescritas pelo seu médico

Compressão no local da cicatriz com fitas de silicone ou malhas compressivas

Evitar coçar a ferida operatória ou usar álcool ou outros irritantes sobre ela

Realizar os curativos da forma indicada pelo seu cirurgião a fins de prevenir infeção local

Comunicar-se com seu médico caso note elevação, vermelhidão, coceira na cicatriz ou aparecimento de bolhas contendo um líquido rosa.

Uma vez formada a cicatriz hipertrófica ou quelóide, existe tratamento?

Diversos autores tem descrito vários tipos de tratamento, que vão desde uso de pomadas, compressão local, infiltração com corticóides ou anti-neoplásicos com grau de resposta variável de paciente para paciente. Uso de um tipo de radiação específico após a cirurgia (betaterapia) pode evitar a formação de cicatriz hipertrófica e quelóide.

Ressecar (retirar) a cicatriz é um tratamento adequado?

Não. A mera ressecção cirúrgica da cicatriz anormal como único tratamento, tem se mostrado inadequada, a tal ponto da cicatriz formada nesta nova cirurgia, ser muitas vezes maior do que a cicatriz inicial.

Então, qual é o tratamento ideal para curar estes problemas de cicatrização?

Não existe um tratamento cem por cento eficaz para prevenir ou tratar as cicatrizes hipertróficas e quelóides. Na nossa experiência, a combinação de tratamentos, aliada à prevenção e controle dos fatores de risco é a melhor maneira de evitar ou tratar uma cicatriz anormal.

Deixe seu comentário ou dúvida