Preenchimento Facial

Ácido Hialurônico (Restylane ®) e Hidroxiapatita de Cálcio (Radiesse ®)

Na constante procura pelo “procedimento estético perfeito”, capaz de restaurar as alterações que o passar do tempo causa sobre os nossos tecidos, cientistas das mais diversas áreas vem investindo tempo e dinheiro, para desenvolver métodos inovadores que consigam estes objetivos, sem a necessidade de incisões, hospitalizações e longos períodos de recuperação pós-cirúrgica.

Dia após dia aparecem no mercado novos materiais, que segundo os fabricantes possuem as características do material de preenchimento “ideal”: inerte, bio-compatível, duradouro, estável uma vez aplicado e de baixo custo. Infelizmente este material ainda não foi inventado.

Breve história do preenchimento

O preenchimento de rugas e sulcos surgiu da necessidade de atenuar as marcas que o tempo deixa sobre a pele, em forma de fraturas cutâneas (rugas) e reabsorção da camada de gordura (sulcos), ou de falta constitucional da mesma ocasionando a chamada “face magra constitucional” e também os lábios finos constitucionais. Ao longo dos anos diversos materiais foram utilizados que mostraram-se prejudiciais com o passar do tempo, alguns exemplos são: parafina, colágeno bovino, silicone líquido medicinal, fibrina suína e mais recentemente o PMMA ou Polimetil Metacrilato, que mostraram altas taxas de complicações, algumas das quais irreversíveis.

Fisiologia do Envelhecimento Facial

Alterações produzidas pela ação da gravidade, dos grupos musculares, da luz solar e dos radicais livres produzem rugas e sulcos, a pessoa pode ter flacidez cutânea ocasionada por alterações estruturais nas fibras elásticas e colágenas, ocasionando dobras sobre a face na sua grande maioria na região que une a bochecha com o lábio superior. Também caracteriza a face envelhecida a perda de volume dos diferentes compartimentos da face.

O QUÊ É O PREENCHIMENTO?

O preenchimento consiste na aplicação de um material nas diversas camadas dos tecidos que apresentam as alterações antes descritas, com o objetivo de preencher os sulcos e rugas ou de aumentar uma área que está pouco desenvolvida ou atrofiada, como é o caso dos lábios, os quais podem ser muito finos por motivos constitucionais ou terem perdido o seu volume com a idade. Este material utilizado para o aumento do volume dos tecidos, pode ser: autólogo (gordura) ou aloplástico (sintético).

INDICAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DE TECIDOS

As duas indicações mais frequentes para preenchimento de tecidos, são:

  1. Correção de sulcos: Naso-lábio-genianos (“bigode chinês”), lábio-mentoniano (“ruga da marionete”) e glabelar (aquela prega entre as sobrancelhas)
  2. Aumento de volume dos lábios
  3. Aumento de volume facial (face magra)
  4. Depressões faciais causadas por sequelas de acne ou cicatrizes.
  5. Correção da lipodistrofia facial absortiva característica dos pacientes que fazem uso de medicamentos antri-retrovirais (tratamento do HIV).

CONTRA-INDICAÇÕES PARA OS PREENCHIMENTOS DOS TECIDOS

O preenchimento dos tecidos com material autólogo ou aloplástico está basicamente contra-indicado como único tratamento existindo excesso de pele. Estes pacientes necessitam para a correção das queixas, a realização de uma cirurgia de rejuvenescimento facial. Nestes casos o preenchimento pode ser um co-adjuvante para melhorar os sulcos que persistirem após a cirurgia e nunca como único tratamento, já que o resultado seria uma face gorda, flácida e caída.

QUAIS OS TIPOS DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA OS PREENCHIMENTOS?

O preenchimento de rugas e sulcos e aumento de volume dos tecidos é executado com o implante de materiais biológicos ou sintéticos sob as diversas camadas do tecido afetado, sendo a profundidade da aplicação do implante, determinada pelo tipo de alteração do tecido. Destas mesmas variáveis depende também a escolha do material: gel de maior ou menor viscosidade (ácido hialurônico,Hidroxiapatita de Cálcio); até materiais semi-sólidos como os implantes de P.T.F. (politetra-fluor-etileno), ou sólidos (Medpor®, Porex®, implantes de silicone, etc.) 

O que é a “Bioplastia?

Especial atenção merece o Polimetil Metacrilato P.M.M.A ou “Bioplastia”. A “Bioplastia” é realizada com injeções do PMMA, ou mícro-esferas de polimetilmetacrilato, uma substância bio-compatível (aceita pelo corpo) porém inabsorvível e definitiva.

É usado na medicina desde 1945 em próteses de quadril e posteriormente para implantes intra-oculares (esferas sólidas para substituir o globo ocular). Só recentemente passou a ser utilizado em tratamentos estéticos em forma de gel para injeção, em concentrações de 2, 10 e 30%.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária liberou este produto em seringas de 1ml para o tratamento das depressões faciais em pacientes sob tratamento com anti-retrovirais (lipodistrofia facial dos portadores de HIV) e não para fins estéticos devido à inexistência de estudos científicos que mostram a sua segurança a longo prazo em pessoas com o sistema imunológico competente.

Devido à enorme quantidade de e.mails e pacientes que recebemos com graves complicações pelo uso deste material em órgãos como nariz, lábios, glúteos e face, NÓS SOMOS ABERTAMENTE CONTRÁRIOS À SUA UTILIZAÇÃO DESTE MATERIAL PARA FINS ESTÉTICOS.

ENTÃO QUAIS SÃO OS MÉTODOS SEGUROS E ATUALMENTE APROVADOS?

Dependendo do tipo de defeito que procurarmos tratar, há métodos seguros, aprovados e não por isto de alto custo:

Lipoescultura facial: usamos a gordura dos “culotes” ou da parte interna dos joelhos para re-definir o contorno facial. Há na nossa casuística uma reabsorção mínima da gordura aplicada, isto devido à técnica utilizada por nós: lipoenxertia estruturada, na qual depositamos o tecido em múltiplos túneis, favorecendo a integração (pega).

Derme autóloga: se você tem uma cicatriz como a da cesariana, ou uma outra que seja de tamanho considerável e de aparência não muito boa, ela pode ser remodelada cirurgicamente com anestesia local e após retirar a epiderme, o tecido dela pode ser usado como implante para aumento de lábios e/ou tratamento de sulcos naso-genianos. A derme assim enxertada não se reabsorve. Este procedimento é um procedimento cirúrgico, a pesar de ser ambulatorial, é uma cirurgia.

Ácido hialurônico: nas suas diversas marcas e concentrações (Restylane, CRM, e outros), pode ser usado para preenchimento de rugas e sulcos, desde que não haja flacidez excessiva. Também é utilizado para aumento e contorno de lábios. O ácido é reabsorvido no prazo de 6 a 8 meses.

P.M.M.A.: reservamos este produto somente para os fins que foi liberado: tratamento da lipodistrofia facial em pacientes com HIV.

Hidroxiapatita de Cálcio: com o nome comercial de Radiesse®, trata-se de um gel, feito de uma substância similar à aquela que compõe a matriz dos ossos do nosso organismo. Tem as vantagens sobre o ácido hialurônico, de ser mais duradoura, em média 2 anos e de aumentar a síntese de colágeno durante o processo de absorção da mesma. Quando aplicada junto ao osso, favorece a penetração de células ósseas que se integram ao material, virando “novo osso”: este material é ideal nos casos de pacientes que desejem elevar o dorso nasal, sem se submeter a uma cirurgia.

MAS A MINHA AMIGA FEZ “BIOPLASTIA” COM UM CIRURGIÃO MEMBRO DA S.B.C.P., E ENTÃO?

Existem cirurgiões plásticos de “mentalidade mais aberta” que a pesar das recomendações da ANVISA, do Conselho Federal de Medicina e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, consideram este procedimento seguro e isento de complicações.

Respeitamos a opinião destes cirurgiões plásticos e não é a nossa intenção criticar nem muito menos julgar as suas condutas terapêuticas; apenas consideramos que é a nossa obrigação ética, divulgar a opinião dos maiores órgãos reguladores das condutas terapêuticas dos médicos no Brasil e aderir as nossas próprias condutas clínicas a ditos preceitos, até que estudos clínicos sérios comprovem a segurança destes procedimentos, e somente então consideraremos o uso do material em questão para fins estéticos.

A exceção está na aplicação para o aumento de mamas, glúteos ou músculos as quais jamais executaremos, embora existam um milhão de artigos científicos dizendo que este procedimento é seguro, pois existe a opção já aprovada e consagrada pela literatura científica internacional de utilizar próteses de silicone ou a lipoescultura, métodos mais seguros reversíveis e mais baratos que injetar PMMA.

RAZÕES PARA VOCÊ NÃO FAZER “BIOPLASTIA” (APLICAÇÃO DE PMMA):

Procedimento não aprovado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O Conselho Federal de Medicina recomendou “Cautela com o procedimento”.

Material não aprovado pela ANVISA para fins estéticos.

Ausência de estudos científicos a longo prazo que demonstrem a segurança deste método.

O Custo total do procedimento é igual ou superior a uma lipoescultura glútea ou colocação de próteses.

Irreversibilidade do método no caso de uma possível complicação.

Elevado número de complicações reportadas a nós via e.mail por pessoas que o realizaram com profissionais supostamente com “muita experiência”.

Se você injetar P.M.M.A nas suas mamas, nem você, nem o seu mastologista poderão detectar presença de nódulos malignos pois o material tem a característica de formar nódulos e pior ainda, não vai ser possível distinguir na mamografia se este nódulo é benigno ou maligno, pois o P.M.M.A produz nódulos calcificados similares aos produzidos por um câncer de mama.

COM TODOS ESTES PROBLEMAS NÓS PERGUNTAMOS: VALE A PENA CORRER O RISCO?

Como pode haver observado, são muitos os procedimentos e com indicações claras para restaurar o volume dos tecidos, melhorando as formas das sua face, consulte um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e pondere com ele as vantagens e desvantagens de cada um dos materiais, pois de uma correta escolha depende a sua satisfação futura.

Deixe seu comentário ou dúvida